Linha do tempo

1896-1915 | Início

                                                                                                                                                                                     

O cinema chegou a Pernambuco apenas alguns meses após as primeiras projeções dos Irmãos Lumière em Paris. Em 13 de setembro de 1896, Francisco Pereira de Lyra, produtor de espetáculos populares, usou um aparelho chamado kinetographo, uma cópia do Cinématographe, no saguão da Estação Ferroviária de Caruaru. A primeira sala fixa aberta no Recife, em 1909, foi o Cinema Pathé, na rua Barão da Victoria (atual Rua Nova), número 45. Meses depois, foram inaugurados no bairro da Boa Vista os cinemas Helvética, Eclypse, Polytheama, Éclair e Moderno. Em 1915, o Teatro do Parque é inaugurado e passa a exibir filmes.

 

1917-1922 | Primeiras filmagens

                                                                                                                                                                                     

Em 1917, o italiano Leopoldis filma as primeiras imagens em movimento registradas no estado. Exibe no Cinema Moderno duas edições do informativo Pernambuco-Jornal. No mesmo ano, a empresa Pinfildi realiza Três meses em Pernambuco, curta documental. Em 1922, Ugo Falangola e seu sócio J. Cambière lançam Veneza Americana, divulgando o governo Sérgio Loreto. Logo outros naturaes, como eram chamados os filmes não ficcionais, são realizados em Pernambuco.

 

1923-1931 | Ciclo do Recife

                                                                                                                                                                                     

O ourives Edson Chagas, o gravador Gentil Roiz e o estudante de engenharia Luís de França Rosa (que adotaria o nome artístico de Ary Severo), fãs do cinema americano, se conhecem e fundam a Aurora Film, na rua de São João, 485, no bairro de São José. Nascia o Ciclo do Recife que produzirá treze longas. Entre os filmes, os clássicos A filha do advogado, de Jota Soares, e Aitaré da praia, de Ary Severo. O Ciclo acaba em 1931 com a chegada dos filmes americanos de som sincrônico, técnica ainda não dominada pelos realizadores pernambucanos.

 

1939-1942 | Aprendendo a falar

                                                                                                                                                                                     

A produtora Meridional Filmes S.A. se instala na Rua do Hospício, Boa Vista, e Manoel Firmo da Cunha Neto – mais conhecido como Firmo Neto – é contratado como cinegrafista. Ele passa a realizar documentários, sobretudo a serviço do Estado Novo. Em 1941, consegue filmar com som sincrônico um espetáculo de balé no Colégio Vera Cruz. No ano seguinte, Firmo Neto e Newton Paiva filmam o primeiro longa sonoro de Pernambuco: O coelho sai, com a atriz Geninha da Rosa Borges e música de Nelson Ferreira.

 

1950-1953 | O Canto do Mar

                                                                                                                                                                                     

Alberto Cavalcanti vem ao Recife filmar O Canto do Mar. Com assistência do crítico José de Souza Alencar e diálogos escritos por Hermilo Borba Filho, o filme foi lançado no recém-inaugurado cinema São Luiz, em 1952.

 

1952-1955 | Cineclubismo

                                                                                                                                                                                     

O cinéfilo Valdir Coelho cria o Cineclube Vigilanti Cura, com exibições no Círculo Católico, na Rua do Riachuelo. Nos debates e apresentações de filmes, destaca-se o adolescente Jomard Muniz de Britto. Também surge na mesma época, o Cineclube Recife, coordenado por André Gustavo Carneiro Leão e José de Souza Alencar, com projeções no quartel da Polícia Militar, no Derby. Dessas atividades cineclubísticas, surgirá mais tarde o Círculo de Estudos Cinematográficos, coordenado por Jomard Muniz de Britto, José Orman e José Luiz Libonati.

 

1960-1966 | Documentário nordestino

                                                                                                                                                                                     

Incentivado pelo poeta Mauro Mota, o então Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais – hoje FUNDAJ – participa da produção dos documentários Aruanda e Cajueiro Nordestino, dirigidos por Linduarte Noronha, e A cabra na região semiárida, de Rucker Vieira. Outros documentários seriam realizados na sequência por Romain Lesage.

 

1973-1983 | Super-8

                                                                                                                                                                                     

A década de 1970 marca a intensa produção do Ciclo do Super-8 em Pernambuco. Já em 1973, onze curtas do Recife são enviados para a Jornada Nordestina de Curta-metragem de Salvador. Em 1976, Jomard Muniz de Britto filma o clássico O palhaço degolado. Bem no meio da farra superoitista, Cleto Mergulhão realiza O palavrão, um longa em 35 milímetros. Na foto, o superoitista Amin Stepple.

 

1985-1996 | O baile começa

                                                                                                                                                                                     

A retomada da produção profissional de cinema em Pernambuco remete ao ano de 1985, quando é criado, no Centro de Artes e Comunicação da UFPE, o grupo Vanretrô, reunindo os então estudantes Paulo Caldas, Lírio Ferreira, Cláudio Assis, Adelina Pontual, entre outros. Em 1996, todos eles se juntam para viabilizar o longa em 35 milímetros Baile Perfumado, dirigido por Lírio Ferreira e Paulo Caldas.

 

2000-2018 | Cinema chamado Pernambuco

                                                                                                                                                                                     

Desde o Baile Perfumado, mais de sessenta longas foram realizados em Pernambuco. Quatro gerações de cineastas e técnicos formam um dos mais expressivos grupos em atuação no cinema brasileiro contemporâneo. Os filmes de Pernambuco ganham visibilidade e mais de oitenta prêmios em festivais nacionais e internacionais.